1ª Edição Correndo para Ajudar

A solidariedade é um laço recíproco entre as pessoas, entre as comunidades e grupos humanos; é um sentimento que envolve e constrói possibilidades transformadoras.

Ser solidário é aderir, apoiar concretamente uma causa, com princípio, valor e sentimento humano. Ser solidário é uma atitude com vontade e determinação libertadora. Ser solidário é apresentar-se ao mundo consciente da responsabilidade que vincula os seres humanos, consciente do papel que podemos representar uns para os outros. Ser solidário é ir em busca da missão, é perseguir o ideal do desenvolvimento humano. Ser solidário é ser luz, é ser ajuda, é ser muito mais do que o sistema induz que podemos ser. Diante de grandes tragédias sociais, o sistema mobiliza as pessoas e promove grandes campanhas de solidariedade. Mas, o grande paradoxo, a grande contradição é que o sistema é, na sua essência, o maior responsável pelas tragédias humanas e sociais. Pois qual é o modelo dominante e predominante no mundo? É um modelo centrado na partilha? Na distribuição equitativa dos bens? Na soma dos esforços e na igualdade de oportunidades? Não. O sistema ao qual estamos submetidos é baseado na desigualdade, na cultura do individualismo, na promoção da competência individual que gera cada vez mais personalidades egocêntricas, que gera cada vez mais certos protótipos humanos afeitos à guerra e não à paz, afeitos a soluções individuais e não coletivistas. Ao longo da história, a humanidade foi submetida a grandes líderes mundiais causadores de grandes tragédias. O tipo de sistema ao qual estamos expostos corrói os valores humanos, embrutece as pessoas e banaliza a vida.

Mas, em meio aos caos humano e social, emerge do interior do ser humano as soluções mais criativas e criadoras, os valores mais nobres e sagrados, a energia mais dinâmica e poderosa. Isto se chama solidariedade! É a ela que mais aproxima os seres humanos da ideia de uma energia divina. Solidariedade é amor, é esperança, é luz. Ser solidário é agir para que laços e abraços sejam símbolos daquilo que somos e da conduta que fazemos. E, assim, traduzir as metas que conquistamos e não as que ficam por conquistar.

solidario

No sábado, dia 12 de Março, a MundoRun e amigos se reuniram em prol do próximo. Foi um encontro incrível! E você, está construindo a sua solidariedade?

Resultado CpA

Sexo frágil?

O sexo frágil, que há muito tempo se convencionou ser a natureza da mulher, vem passando por grandes transformações. Ela vem ocupando um espaço de forma ativa na sociedade e gradativamente, se apropriando de funções decisórias sem perder, também, sua hegemonia no ambiente familiar.

Quando ocorrem essas mudanças, o universo masculino, ainda que não se dê conta, é obrigado a se reorganizar quanto às novas funções; é necessário adaptar-se a elas e às que foram perdidas e que antes eram tidas como exclusivas.

A mulher de hoje já possui status, poder e força em diferentes segmentos – e na corrida não é diferente! Foi-se o tempo em que o homem chegava ‘’anos-luz” na frente da mulher.

É claro que há uma série de questões que precisam ser levadas em consideração. Por exemplo: quando comparamos anatomia e fisiologia entre homens e mulheres é lógico que há diferenças. Os sistemas cardiovascular e respiratório, na mulher, são menores. Deste modo, para fazer a mesma atividade com a mesma intensidade, o corpo feminino tem que fazer um esforço maior que o masculino. Mas isto não impede o sucesso dela! A mulher conta, em sua maioria (e em maior proporção se comparada com o homem) com características muito importantes: determinação, resistência, disciplina e foco. Esses fatores, com toda a certeza, fazem com que ela avance em distância e melhore o seu tempo.

Todos sabem que não podemos generalizar. Na realidade, quando realmente a palavra querer é utilizada na prática, não é o gênero masculino ou feminino que vai determinar o sucesso. Ganhar ou não uma prova é a conseqüência dos esforços e das privações, é resultado dos treinos. Então, se eu ganho é porque mereço. Se eu perco é porque o outro foi melhor do que eu.

Vamos todos juntos e, claro, viva o Dia Internacional da Mulher!

Solidariedade: Obra do Berço

O altruísmo é uma palavra pouco conhecida, mas praticada em todo o mundo. Ajudar o próximo sem receber nada em troca é uma atitude que muitas pessoas estão considerando um ótimo remédio para se sentir melhor e mais feliz. O ser humano, que é um ser social e gosta de viver em grupos, sente prazer quando, de alguma forma, colabora para o bem-estar do outro. Faz parte da natureza humana colaborar, dentro das possibilidades de cada um. Existem atitudes simples que influenciam na melhora do dia-a-dia. Esse tipo de ação proporciona uma satisfação pelo simples fato de se saber que passou para alguém algo positivo, trazendo uma agradável sensação de bem-estar.

Uma pesquisa realizada durante 10 anos por professores da universidade de Harvard, nos Estados Unidos, que envolveu cerca de 2.700 pessoas, comprovou que ajudar o próximo faz bem ao coração e ao sistema imunológico, além de aumentar a expectativa de vida e a vitalidade. Eles notaram que as pessoas que têm esses gestos de altruísmo, ao perceber a felicidade e a gratidão dos outros, liberam no cérebro a endorfina, responsável pela sensação de prazer. Ela diminui a sensação de dor e as chances de ficar doente. Outro ponto importante da pesquisa foi a melhora no funcionamento imunológico de quem ajuda.

Abrace essa causa, junte-se a nós no dia 12.03 e parabéns! Você acaba de doar um pouco de si para ajudar o próximo! Gratidão!

https://www.facebook.com/events/437302933144391/