Série Suplementos: Dextrose e Maltodextrina

dextrose

A dextrose e a maltodextrina são um dos suplementos mais utilizados pelos praticantes de exercícios aeróbicos. Eles são ideais para fornecer energia e melhorar o desempenho, fazendo com que você consiga se exercitar por mais tempo e com mais intensidade. Mas é preciso ficar atento para não ingerir de maneira irregular. O ideal é que estes sejam ingeridos apenas durante o exercício e, de preferência, acompanhados de alguma proteína.

A dextrose, também conhecida como glicose, é um derivado da conversão enzimática do amido de milho, monossacarídeo e quimicamente é considerado um carboidrato simples por possuir uma estrutura molecular de tamanho reduzido, o que facilita sua digestão e rápida absorção, acarretando em poucos minutos um aumento da taxa de glicose no sangue. por este motivo, é usada como uma das principais fontes de energia pelo corpo. Possui alto índice glicêmico e é utilizada quando se precisa de alguma fonte de energia imediata e não tem longo prazo.

É comum que muitas pessoas façam uma pequena confusão quanto a diferença entre a dextrose e a maltodextrina. A dextrose é de fácil administração e consegue elevar os níveis de energia. Além disso, a glicose que há na dextrose, é essencial para que ocorra a absorção de nutrientes por parte do organismo. Nenhum nutriente entra nas células sem a ajuda da glicose, inclusive a proteína. Por possuir um alto índice glicêmico, sabe-se que o pico de insulina também será alto, e quanto maior for o pico de insulina, maior será o transporte de proteínas, glutamina, aminoácidos como BCAA aminoácidos de cadeia ramificada), creatina e outros nutrientes. Outra diferença é que a maltodextrina não permite que ocorra uma queda brusca da glicemia (nome dado à quantidade de glicose (açúcar) existente no sangue), uma função que não faz parte da dextrose.

A maltodextrina é um carboidrato complexo proveniente do amido, normalmente de milho, mas pode ser de outros alimentos, com a mandioca. Ela é constituída por polímeros de glicose e apesar de ser um carboidrato complexo e precisa passar primeiro pelo fígado para que possa ser processado. Ou seja, ela demora mais de ser distribuído no organismo e isso faz com que não seja a ideal para ser utilizada no pós-treino e sim, antes e durante os treinos. Também orientada para pessoas que praticam atividades físicas aeróbicas de alta intensidade e longa duração, como a corrida, por exemplo. Quando consumida antes do treino, irá garantir que o corpo tenha as quantidades corretas de glicose para a prática segura de exercícios, poupando as proteínas teciduais e evitando a hipoglicemia. Seu consumo irá fornecer energia para a pessoa durante os treinos e, ao ser ingerida, após os treinos, ajuda a repor o glicogênio muscular. Assim, evita que as proteínas sejam utilizadas como fontes energéticas, favorece a absorção desta substância pelos músculos e contribui para a melhor recuperação muscular.

dextrose milho

Com a quantidade de carboidratos correta distribuída no organismo, os praticantes de atividades aeróbicas não correm o risco de ter baixos níveis de glicose no sangue e desenvolver um distúrbio homeostático, uma série de problemas que pode ocorrer em decorrência da falta de açúcar no organismo, como hipoglicemia. Além disso, as proteínas não precisam ser utilizadas como fontes de energia e podem proporcionar outros benefícios para o organismo.

O consumo em excesso de ambas pode acarretar alguns problemas. Pode ocorrer um aumento na produção de insulina, em decorrência dos picos de glicose, o que favorece a hipoglicemia. Em doses muito altas também há o risco de diarreias, náuseas e vômitos. Também leva ao ganho de peso, pois, se os carboidratos da maltodextrina não são totalmente utilizados pelo organismo, o corpo os armazena em forma de tecido adiposo. Para evitar estes problemas, é essencial consumir a maltodextrina somente com a orientação de uma nutricionista ou médico especialista.

Be Sociable, Share!

Deixe uma resposta


*